27 de maio de 2011

Flora Gomes - Nha Fala (2002)


Portugal/França/Luxemburgo/Guiné Bissau/Cabo Verde | Flora Gomes | 2002 | Musical/Comédia | IMDB
  Crioulo guineense | Legenda: Português
  110min | 1,46 Gb

 Nha Fala / A minha voz
"Em África diz-se que nada funciona. Quis mostrar qualquer coisa que mexesse, a música, e  render homenagem a todos os músicos sobretudo a Manu Dibongo. Quis falar de uma África positiva, onde se morre mas também se ri." Flora Gomes (Fonte) 

Antes de partir para a Europa para estudar, Vita, uma jovem africana, promete à mãe que jamais cantará, pois uma maldição que se abate sobre a sua família determina que qualquer mulher que ouse cantar, morrerá amaldiçoada. Em Paris, Vita conhece Pierre, um jovem e talentoso músico por quem se apaixona. Transbordando alegria, Vita liberta-se finalmente e canta, deixando-se convencer por Pierre a gravar um disco, que se torna um sucesso de vendas imediato. Temendo que a mãe descubra que quebrou a promessa, Vita decide voltar a casa… para morrer! Com a ajuda de Pierre e Yano, Vita encena a sua própria morte e ressurreição, para mostrar à família e amigos que tudo é possível, se tiverem a coragem de ousar.

Prêmios e nomeações:
Festival de Cinema de Veneza - Prémio Lanterna Mágica, e Festival Internacional de Cinema de Amiens - Vencedor do Prémio da Cidade de Amiens e do Prémio SIGNIS.
(Fonte)  


Sobre o diretor:
Flora Gomes nasceu em Cadique, na Guiné-Bissau, estudou cinema em Cuba e no Senegal sob a direcção de Paulino Soumarou-Vieyra, um dos pais do cinema africano. A sua primeira longa-metragem, "Mortu Nega" (1987), recebeu duas menções especiais do júri no Festival de Veneza, o Prémio Oumarou para a primeira obra no Festival de Ouagadougou, o segundo prémio do Festival Internacional de Aveiro. A segunda, "Os Olhos Azuis de Yonta" (1992), apresentado na selecção oficial em Cannes na categoria "Un Certain Regard", obteve o prémio da Melhor Actriz para Bia Gomes no Festival de Ouagadougou eo Prémio do Júri no Festival de Grécia. "Pau de Sangue", a sua terceira longa-metragem, esteve no Festival de Cannes em 1996. "Nha Fala" é a sua quarta obra. (Fonte)


Mais sobre Flora Gomes: http://www.didinho.org/OCINEMADAGUINEBISSAU.htm








 ---------------------

Artigo: Nha fala, uma festa do tradicional com o moderno 
Giselle Rodrigues Ribeiro


RESUMO: Neste texto, objetivamos analisar o filme Nha Fala, do diretor Flora Gomes, oriundo da Guiné-Bissau. No processo, consideramos o modo como a produção expressa o convívio de elementos da tradição e da modernidade na comunidade que retrata, a tendência fílmica incorporada pela produção, além de questões de ordem diversas, como a língua de expressão adotada e as identificações étnico-raciais sugeridas. Como subsídio teórico, escolhemos teóricos ou especialistas em cinema como Ferid Boughedir, Mahomed Bamba e Ngugi Wa Thiong’o para construir um panorama sobre a cinematografia africana recente. A partir disso, a análise de Nha fala nos levou a perceber que o tradicional e o moderno podem conviver sem grandes  estardalhaços em diversos espaços da África contemporânea. Já as contradições que por vezes
existem entre o discurso e a prática do diretor ou mesmo de personagens do filme podem ser creditados a uma incompleta descolonização mental, a qual, embora não tenha trazido deméritos significativos para a produção em questão, deve, ainda, ser alcançada, e não só pelos africanos, mas até mesmo por nós, brasileiros, que muitas vezes preterimos o cinema produzido na África diante de produções estadunidenses.


 ---------------------

Crítica: Nha Fala 
Olivier Barlet

Nha Fala traz um cenário alegre como um musical de Jacques Demy. As canções de Manu Dibango são cheias de vida, as cenas de dança te fazem querer levantar e dançar também. Há cores vivas em todos os lugares, até mesmo em papéis de parede insignificantes usados como decoração. O filme realmente decola quando ficamos sabendo que Vita, que está partindo para continuar seus estudos na Europa, é proibida de cantar porque sua família sofre com uma maldição que diz que qualquer pessoa que tentar cantar está condenada a morrer. A eficácia do suspense criado nessa cena é tamanha que ele nunca diminui até o final do filme. Após uma abertura cheia de canto e dança, tomamos conhecimento do drama terrível dessa maldição. Nha Fala é em essência um convite alegre único para levantar nossas vozes, falar e - como o número final diz - ousar. "O que você pode fazer quando alguém o impede de ir para a frente? Você tem que ousar! Quando você quer fazer amor uma segunda vez, você tem de ousar! O filme começa com um cortejo fúnebre realizada pelos alunos de seu papagaio, que só sabia dizer "Silêncio!". As crianças aparecem no final do filme também - tudo é cíclico no filme. No entanto, o ciclo passa por uma experiência diferente, o confronto com um outro lugar, uma outra maneira de ver as coisas, e talvez até mesmo a rejeição como é sugerido de forma cômica pelo homem velho dançando com os outros vizinhos de Vita, em Paris. Ele repete várias vezes: "Eu não gosto de pretos!"

Flora Gomes foi além dos muito usados filmes de chamada para a ação e usa uma música que fala mais alto que palavras usar para dizer que temos que parar de ter medo. Na verdade, este é o tema do CD que Vita grava com o músico parisiense com quem se apaixona. "O medo toma conta de você - devora você - e você já não tem um amigo em si mesmo".

Devemos interpretar isso como se tivéssemos que fazer a jornada para a Europa para ser livre? Em suma, onde vamos buscar a força de ousar? Dois personagens loucos atravessam o filme. Eles estão carregando uma estátua de Amílcar Cabral e precisam de um lugar para colocá-lo. Eles só encontram um suporte para ele no final do filme, quando todos se atrevem a cantar, e depois de todos terem recusado a estátua, fechando suas portas e janelas acompanhando a música. Ao chamar atenção para o homem que foi tanto o cérebro por trás do movimento de independência quanto um lutador pela liberdade, o filme de Gomes representa a continuidade histórica da resistência à colonização, lembrando-nos que não temos de procurar muito para descobrir os atores da desalienação, se fizermos um esforço para olhar para nossa própria cultura. No entanto, Gomes também coloca Nha Fala, como fez com seu filme anterior, Po di Sangui, no contexto da grande mistura de povos - o número de fechamento termina com "O que nós temos que fazer para ficarmos juntos e sermos diferente? Temos que ousar!"

Nha Fala conta com atores de filmes anteriores de Flora Gomes, com uma performance de estrela da notável Fatou Ndiaye, famosa por seu papel no filme feito para a TV Fatou la Malienne. Sua performance não foi jamais excessiva, mas ela tinha uma forte presença, em grande parte devido à sua expressividade facial e de gestos simples que não denunciavam em nada o fato de que ela teve que aprender crioulo guineense e canto para o filme!

Este é um filme bonito e despretensioso, cheio de um amor sincero pela vida que nos infecta com um desejo real de se levantar e dançar.


 ---------------------

Baixar legenda

Por favor, semeie! Semear é muito importante para que outras pessoas tenham acesso ao filme.

3 comentários:

André Procópio disse...

ótimas coisas por este sítio! Faz algum tempo que venho procurando filmes e músicas que não sejam daqui do Brasil mas que são em língua portuguesa (ou português-criolo, galego...). Creio que encontrei um pequeno reduto aqui!

Thaíse Santana disse...

Olá, eu busquei na internet o filme Olhos azuis de Yonta, de Flora Gomes, mas não o encontrei. Como faço para conseguí-lo?

Educação e Contemporaneidade disse...

Olá,

Eu estudo o cinema de Flora Gomes desde 2008, inclusive minha dissertação de mestrado foi sobre o Nha fala, como faço para conseguir uma cópia do filme Pau de Sangui. Ah! Gostaria de publicar um texto meu nesse blog, como procedo?
Cordialmente
Jusciele Oliveira